Quantas vezes a vida não nos troca as voltas e, sem esperarmos, vemos os nossos limites desafiados, a nossa harmonia destabilizada?

Nada é garantido – todos sabemos isso e, alguns de nós, aprendemos essa lição da pior forma possível.

Ao longo da vida tenho encontrado mecanismos de defesa contra as amarguras da vida, sendo a mais eficaz (e deliciosa) viajar. Infelizmente, esta cura/terapia não é gratuita. Assim, tenho de me limitar às possibilidades *pudesse eu andar sempre a palmilhar quilómetros…*

Estas últimas semanas têm sido caóticas; levei um valente empurrão *daqueles que nos testam de verdade* que me derrubou. Mas vou caindo e vou-me levantando, é assim que se vive, certo?

No limite, decidi que tinha de reagir, tinha de ir buscar energias. Como? A fazer o que amo: viajar. (escrita tem estado fora de questão).

Sábado à noite abri o googlemaps e o Tripadvisor e pesquisei locais perto da minha cidade, com a simplicidade que gosto: sítios verdejantes (em Inglaterra nada difícil de encontrar), com castelo e/ou igreja – os meus monumentos preferidos. A app deu-me alguns resultados e facilmente escolhi o meu destino: Worcester, uma cidade no condado Worcestershire, a 31 milhas de Birmigham.

Não tinha planos senão visitar a Catedral e caminhar na cidade; precisava “somente” de um dia pacífico, tranquilizante. Infelizmente o Tudor House Museum estava fechado; gostava imenso de o ter visitado. Um dia volto lá.

Worcester é atravessada pelo rio Severn (o mais longo da Britânia), que origina o canal que une a cidade a Birmingham (Worcester and Birmingham Canal). A sul da Catedral, os trilhos são maravilhosos: fazem-se caminhadas, passeiam-se os cães, corre-se, passeia-se; desanuvia-se… Sempre com a vista sob a cidade e os seus campos verdejantes.2018-01-18 06.20.14 1.jpg

O Canal

2018-01-18 06.21.58 1.jpg
Esculturas em metal de personalidades britânicas: ciclista olímpico, o fundador da British Medical Association e dois soldados da guerra civil

2018-01-18 06.21.59 1.jpg

Neste trilho, com o canal a acompanhar-me, caminhei 2 horas, respirei ar puro *gélido!*, admirei felicidades alheias, devaneios solitários, desportistas motivados, brincadeiras inocentes,…  Aqui respirei fundo.
2018-01-14 02.03.43 1.jpg

Depois da caminhada fui visitar a fenomenal Catedral (fotos no final), dei uma volta pela baixa da cidade; e terminei o meu dia num café maravilhoso: o Coffe#1. Já tinha encontrado este frenchising no País de Gales e, também aí, fiquei fascinada. A decoração é acolhedora e as pinturas e dizeres nas paredes inspiradores. Se encontrarem um destes cafés, entrem, vale a pena conhecer.

2018-01-18 06.20.03 1.jpg
Neste recanto maravilhoso terminei a leitura do Alice no País das Maravilhas

2018-01-18 06.21.52 1.jpg

Passei somente um dia em viagem mas foi o suficiente para me energizar e devolver o sorriso.

De Worcester não trouxe milagres mas trouxe harmonia e inspirações; trouxe a certeza que amanhã é sempre um dia melhor e que pôr a mochila às costas e ir explorar novos locais é o melhor curativo de todos.2018-01-18 06.21.19 1.jpg

 

Partilho algumas fotos da Catedral de Worcester:2018-01-18 06.20.05 1.jpg2018-01-18 06.20.13 1.jpg

2018-01-18 06.20.06 1.jpg

 

 

 

 

2018-01-18 06.20.08 2.jpg

2018-01-18 06.20.08 1.jpg

2018-01-18 06.20.07 1.jpg

 

 

Rei Henry VII e o seu filho, Príncipe de Gales, Arthur

Viajar é tudo de bom!

 

~~~~~~~~


O meu livro de contos, disponível AQUI


Subscreve a Newsletter e recebe um conto original. Clique aqui

Ser-escrevente, ser-viajante. Movida a música e cafeína. Inspirada por sensações, sentires e emoções (eternas e efémeras), amores e desamores.

0 Comments

  1. Seja lá o que tenha te derrubado, espero que na próxima você esteja preparada para desviar desse baque ❤ Amei seu post e as fotos estão lindas, você fez bem, foi em frente de algo novo, uma cidade no caso, e que venham muitas outras para serem desbravadas por ti. Um beijo e aproveite esse friozinho aí, aqui no Brasil tá parecendo um deserto rsrs

  2. Uma das coisas que eu gostava na Europa era justamente isso, quando morava em Coimbra, era só pegar a mochila, me enfiar no trem e ir… aqui em São Paulo tudo é muito longe e as opções acabam por ser mais cansativas que o próprio cansaço. aff
    Eu fujo para os Parques da cidade, que são vários… e tem cantos que fazem muito bem a alma. Renovam-me por dentro e fora.

    Ps. Espero que a viagem tenha feito o momento ser superado!

    bacio

    1. Coimbra! Que cidade maravilhosa para se morar! Uma das minhas preferidas de Portugal, é lindíssima.
      Inglaterra tem a vantagem que falas, há muito para (vi)ver em qualquer recanto, é muito fácil e económico dar uma escapadela e passar umas horas ou uns dias de amena felicidade.
      O momento não foi superado, mas o próprio acto em si – pegar em mim e ir – foi um passo importante: ficar no sofá, submissa ao problema não ia resolver nada. Andei com o problema acoplado mas andei realizada 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *