Em Junho de 2017 decidi tornar-me escritora independente (autopublicar os meus livros).

Sabia que iria ser trabalho árduo e resultados não eram garantidos. Mas esses – os resultados ausentes – eu já tinha, portanto, nada a perder.

Sendo um mundo totalmente desconhecido para mim, antes de avançar na auto-publicação teria de investir em aprendizagens. Mas quando digo investir não me refiro financeiramente: falo de disponibilidade, de ter capacidade de conciliar a vida de escritora com essa pesquisa (estudos) e com o meu emprego. Tudo a custo zero ou o mínimo gasto possível – afinal, esse é o objectivo comum a quase todos os escritores que se lançam como independentes.

Sobre o processo de autopublicação, há quem o resuma a isto: 1) escrever um livro, 2) formatar de acordo com os requisitos da plataforma de vendas, 3) formatar uma capa, 4) fazer o upload do livro e da capa, 5) esperar resultados.

Isto é autopublicar, sem dúvida. Mas é autopublicar no vazio, sem potenciar as vendas do seu livro. É lançar um livro para o fundo de uma pilha de milhares ou milhões deles.

Ser um escritor independente de sucesso (sendo essa definição subjectiva) exige um grande esforço, dedicação, persistência e Acreditar.

Auto-publicar é sermos muito mais que escritores: é sermos autodidactas, aprendermos técnicas de marketing, manhas e truques das imensas redes sociais; é investirmos na nossa marca, bebendo de outros as suas estratégias; é perder a timidez (se presente). É, também, sermos criativos, adquirirmos competências em edição de fotografias, programas de escrita e edição,… É sermos tanto. Agora, pensem nisto tudo – e em tudo o resto que não detalhei – juntem-lhe a escrita de novos projectos e artigos de blog (fundamental para a nossa visibilidade) e, ainda, um emprego no “mundo real”.

Não pretendo assustar quem pensa lançar-se no mundo da autopublicação, pelo contrário! Persigam sonhos, invistam tudo para alcançar os objectivos que delinearam. Ninguém o fará por vocês.

Pretendo, sim, partilhar uma ideia básica: se não investirem na vossa carreira de escritores independentes não vai haver retorno (vendas), irão desanimar e desistir. Para evitar isso, preparem-se, planifiquem, estruturem, delineiam objectivos. Leiam, pesquisem, aprendam muito. Muito mesmo. Experimentem; tenham sucessos e fracassos; mas aprendam e não desistam!

Nada é definitivo e uma das grandes vantagens de ser autopublicado é que podemos mudar tudo a qualquer altura.

Deixo-vos o meu exemplo, que espelha com fidelidade o que acima referi, de lançar um livro para a pilha ou nos comportamos como auto-publicados:

Depois de tomada a decisão, auto-publiquei o meu livro de contos Ser Emoção – mas somente como teste, para me experimentar nesse mundo. Fiz o que recomendo não fazer: publiquei e deixei o livro ficar lá, de molho. Mas fi-lo consciente, eu tinha um plano: o livro foi a ponte para o blog. Eu queria escrever sobre os bastidores da minha escrita, como tal, tinha de mostrar alguma escrita. Assim, coloquei à disposição o livro de contos; enquanto investia arduamente na minha plataforma de autor e preparava o meu romance para uma publicação “a sério”.

Em Outubro comecei a publicitar o Ser Emoção, e em Dezembro lancei uma campanha promocional.O resultado?

A 17 de Dezembro o Ser Emoção chegou ao topo dos rankings!
O meu livro autopublicado esteve em 1º lugar na categoria literatura e ficção>contos e 6º lugar em ebooks kindle > Romance

Foi resultado de uma promoção, é certo, mas foi retorno do meu empenho, foi um mostrar a mim própria que estou no caminho certo, que vale a pena o investimento pessoal, o cansaço acumulado. Foi um passo adiante no sonho (que está mais perto de ser realizado).

Falo dos meus números somente como exemplo para os que estão agora a iniciar-se na aventura da auto-publicação ou para os que, já nela, têm dúvidas, desmotivaram, andam à deriva,…

Apesar de ser uma iniciante no mundo da auto-publicação já tenho imensas aprendizagens acumuladas, fontes fidedignas, estratégias coerentes. Tenho resultados. E isso merece ser partilhado. Aprendi tudo o que sei neste mundo da blogosfera, dou agora o meu contributo.

Portanto, meus caros colegas escritores: aventurem-se, sigam em frente, arrisquem! No vosso tempo, no vosso ritmo, nas calmas ou em euforia – mas não permitam que os vossos escritos fiquem encerrados num computador, sem ninguém para os ler.

A resposta ao título deste artigo é: leiam as histórias de escritores auto-publicados, os seus percursos e dicas, leiam livros técnicos, aprendam o básico de formatação para ebooks e versão papel se for o caso. Invistam algumas horas do vosso tempo a ler, a absorver aprendizagens. Enquanto isso, imaginem-se lá: no mundo das vendas, em que o vosso livro é um sucesso (mediano). Projectem os vossos objectivos e visualizem-nos alcançados. Torna-se mais fácil e motivador fazer o percurso em direcção a um final já delineado.

Para finalizar, partilho o site de uma escritora independente de sucesso, a Joanna Penn. Nesta página  encontram imensos artigos úteis na área da auto-publicação. Sugiro também o seu livro Successful Self-Publishing: How to self-publish and market your book in ebook and print (Books for Writers).

Aprendi imenso com a Joanna Penn porém, como em qualquer temática, há opiniões divergentes entre especialistas na área. Portanto, dediquei-me a ler diferentes opiniões e experiências individuais e, depois, implementei estratégias de uns e de outros – trabalho ainda em curso, claro.

O percurso é meu, será trilhado nos meus moldes. Com aprendizagens adquiridas e modelos a seguir mas com o meu próprio sentido crítico.

Espero com este artigo ter trazido alguma luz na escuridão que pode ser o mundo da auto-publicação.

Ser-escrevente, ser-viajante. Movida a música e cafeína. Inspirada por sensações, sentires e emoções (eternas e efémeras), amores e desamores.

0 Comments

  1. Muito legal compartilhar experiências! A autopublicação pode ser muito mais trabalhosa ao final das contas, mas é fascinante… Sou um defensor ardente dela e planejo, em breve, não apenas publicar, mas imprimir e distribuir meus próprios livros. Projetos…

  2. Para quem, supostamente, é iniciante nesta viagem, já diz muitas coisas acertadas. O “atirar” o livro para o monte da auto-publicação é uma delas. Achei interessante a ponte entre o livro Ser Emoção e a blog!
    Que interessante, também conheces a Joanna Penn! Definitivamente ela é um exemplo a seguir.
    Obrigada pelas dicas e continua bem!

    1. Obrigada! A Joanna Penn é um “must know” no mundo da autopublicação; diz coisas muito acertadas e tem ensinamentos valiosos. Apesar de muitos se aplicarem ao mercado americano (muito diferente do português e, imagino, do brasileiro), há imensa informação útil.
      Retribuo os votos! (e bem vindo)

    1. Tente numa perspectiva diferente. Leio imenso sobre marketing e auto-publicação, vou tentando diferentes estratégias. Sem esperar sucesso ou resultados; o que vier é lucro. Entre ter a minha escrita trancada num computador onde ninguém lhe acede e tê-la disponível ao público, na vertente de auto-publicação,….
      Acho que o sucesso nesta tarefa depende do que pretendemos alcançar: eu sou realista, pretendo pouco. Desejo muito, claro, mas para não sofrer desilusões, desenhei objectivos realistas. E não desisto, claro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *