Em Junho de 2017 decidi tornar-me escritora independente (autopublicar os meus livros).

Sabia que iria ser trabalho árduo e resultados não eram garantidos. Mas esses – os resultados ausentes – eu já tinha, portanto, nada a perder.

Sendo um mundo totalmente desconhecido para mim, antes de avançar na autopublicação teria de investir em aprendizagens. Mas quando digo investir não me refiro financeiramente: falo de disponibilidade, de ter capacidade de conciliar a vida de escritora com essa pesquisa (estudos) e com o meu emprego. Tudo a custo zero ou o mínimo gasto possível – afinal, esse é o objectivo comum a quase todos os escritores que se lançam como independentes.

Sobre o processo de autopublicação, há quem o resuma a isto: 1) escrever um livro, 2) formatar de acordo com os requisitos da plataforma de vendas, 3) formatar uma capa, 4) fazer o upload do livro e da capa, 5) esperar resultados.

Isto é autopublicar, sem dúvida. Mas é autopublicar no vazio, sem potenciar as vendas do seu livro. É lançar um livro para o fundo de uma pilha de milhares ou milhões deles.

Ser um escritor independente de sucesso (sendo essa definição subjectiva) exige um grande esforço, dedicação, persistência e Acreditar.

Autopublicar é sermos muito mais que escritores: é sermos autodidactas, aprendermos técnicas de marketing, manhas e truques das imensas redes sociais; é investirmos na nossa marca, bebendo de outros as suas estratégias; é perder a timidez (se presente). É, também, sermos criativos, adquirirmos competências em edição de fotografias, programas de escrita e edição,… É sermos tanto. Agora, pensem nisto tudo – e em tudo o resto que não detalhei – juntem-lhe a escrita de novos projectos e artigos de blog (fundamental para a nossa visibilidade) e, ainda, um emprego no “mundo real”.

Não pretendo assustar quem pensa lançar-se no mundo da autopublicação, pelo contrário! Persigam sonhos, invistam tudo para alcançar os objectivos que delinearam. Ninguém o fará por vocês.

Pretendo, sim, partilhar uma ideia básica: se não investirem na vossa carreira de escritores independentes não vai haver retorno (vendas), irão desanimar e desistir. Para evitar isso, preparem-se, planifiquem, estruturem, delineiam objectivos. Leiam, pesquisem, aprendam muito. Muito mesmo. Experimentem; tenham sucessos e fracassos; mas aprendam e não desistam!

Nada é definitivo e uma das grandes vantagens de ser autopublicado é que podemos mudar tudo a qualquer altura.

Deixo-vos o meu exemplo, que espelha com fidelidade o que acima referi, de lançar um livro para a pilha ou nos comportamos como auto-publicados:

Depois de tomada a decisão, auto-publiquei o meu livro de contos Ser Emoção – mas somente como teste, para me experimentar nesse mundo. Fiz o que recomendo não fazer: publiquei e deixei o livro ficar lá, de molho. Mas fi-lo consciente, eu tinha um plano: o livro foi a ponte para o blog. Eu queria escrever sobre os Bastidores da minha Escrita, como tal, tinha de mostrar alguma escrita. Assim, coloquei à disposição o livro de contos; enquanto investia arduamente na minha plataforma de autor e preparava o meu romance para uma publicação “a sério”.

No dia 30 de Outubro publiquei o Telma e comecei a promover, também, o Ser Emoção. O resultado?

A 17 de Dezembro o Ser Emoção chegou ao topo dos rankings!
O meu livro autopublicado esteve em 1º lugar na categoria literatura e ficção>contos e 6º lugar em ebooks kindle > Romance

Foi resultado de uma promoção, é certo, mas foi retorno do meu empenho, foi um mostrar a mim própria que estou no caminho certo, que vale a pena o investimento pessoal, o cansaço acumulado. Foi um passo adiante no sonho (que está mais perto de ser realizado).

Mas porque temos de ser realistas – perseguir sonhos mas mantendo sempre a âncora em terra firme -, preciso que a Amazon actualize a plataforma de vendas (infelizmente não é actualizada à venda, podem demorar mais de 1 semana a serem contabilizadas) para, então, desenhar objectivos mais específicos.

Falo dos meus números somente como exemplo para os que estão agora a iniciar-se na aventura da autopublicação ou para os que, já nela, têm dúvidas, desmotivaram, andam à deriva,…

Apesar de ser uma iniciante no mundo da autopublicação já tenho imensas aprendizagens acumuladas, fontes fidedignas, estratégias coerentes. Tenho resultados. E isso merece ser partilhado. Aprendi tudo o que sei neste mundo da blogosfera, dou agora o meu contributo.

Portanto, meus caros colegas escritores: aventurem-se, sigam em frente, arrisquem! No vosso tempo, no vosso ritmo, nas calmas ou em euforia – mas não permitam que os vossos escritos fiquem encerrados num computador, sem ninguém para os ler.

A resposta ao título deste artigo é: leiam as histórias de escritores auto-publicados, os seus percursos e dicas, leiam livros técnicos (são sempre de leitura muito fácil), aprendam o básico de formatação para ebooks e versão papel se for o caso. Invistam algumas horas do vosso tempo a ler, a absorver aprendizagens. Enquanto isso, imaginem-se lá: no mundo das vendas, em que o vosso livro é um sucesso (mediano). Projectem os vossos objectivos e visualizem-nos alcançados. Torna-se mais fácil e motivador fazer o percurso em direcção a um final já delineado.

Para finalizar, partilho o site de uma escritora independente de sucesso, a Joanna Penn. Nesta página  encontram imensos artigos úteis na área da auto-publicação. Sugiro também o seu livro Successful Self-Publishing: How to self-publish and market your book in ebook and print (Books for Writers).

Aprendi imenso com a Joanna Penn porém, como em qualquer temática, há opiniões divergentes entre especialistas na área. Portanto, dediquei-me a ler diferentes opiniões e experiências individuais e, depois, implementei estratégias de uns e de outros – trabalho ainda em curso, claro.

O percurso é meu, será trilhado nos meus moldes. Com aprendizagens adquiridas e modelos a seguir mas com o meu próprio sentido crítico.

Espero com este artigo ter trazido alguma luz na escuridão que pode ser o mundo da autopublicação. Pondero escrever mais artigos nesta temática, com exemplos práticos, dicas e saberes. Diga-me se é algo que vos interessa.


Adquira o meu livro de contos


Subscreva a Newsletter e receba um conto original

Ser-escrevente, ser-viajante. Movida a música e cafeína. Inspirada por sensações, sentires e emoções (eternas e efémeras), amores e desamores.

Autopublicação: por onde começar?

0 thoughts on “Autopublicação: por onde começar?

  • 7 November, 2017 at 12:46 am
    Permalink

    Muito legal compartilhar experiências! A autopublicação pode ser muito mais trabalhosa ao final das contas, mas é fascinante… Sou um defensor ardente dela e planejo, em breve, não apenas publicar, mas imprimir e distribuir meus próprios livros. Projetos…

    Reply
  • 23 December, 2017 at 6:48 pm
    Permalink

    Para quem, supostamente, é iniciante nesta viagem, já diz muitas coisas acertadas. O “atirar” o livro para o monte da auto-publicação é uma delas. Achei interessante a ponte entre o livro Ser Emoção e a blog!
    Que interessante, também conheces a Joanna Penn! Definitivamente ela é um exemplo a seguir.
    Obrigada pelas dicas e continua bem!

    Reply
    • 23 December, 2017 at 6:56 pm
      Permalink

      Obrigada! A Joanna Penn é um “must know” no mundo da autopublicação; diz coisas muito acertadas e tem ensinamentos valiosos. Apesar de muitos se aplicarem ao mercado americano (muito diferente do português e, imagino, do brasileiro), há imensa informação útil.
      Retribuo os votos! (e bem vindo)

      Reply
  • 29 January, 2018 at 9:44 pm
    Permalink

    Queria conseguir ser como você. Mas para isso acontecer é preciso tentar. Já tentei, e não alcancei.

    Reply
    • 31 January, 2018 at 11:02 am
      Permalink

      Tente numa perspectiva diferente. Leio imenso sobre marketing e auto-publicação, vou tentando diferentes estratégias. Sem esperar sucesso ou resultados; o que vier é lucro. Entre ter a minha escrita trancada num computador onde ninguém lhe acede e tê-la disponível ao público, na vertente de auto-publicação,….
      Acho que o sucesso nesta tarefa depende do que pretendemos alcançar: eu sou realista, pretendo pouco. Desejo muito, claro, mas para não sofrer desilusões, desenhei objectivos realistas. E não desisto, claro.

      Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

%d bloggers like this: